A Rússia cercou a Ucrânia por três lados. É aqui que uma invasão poderia ser lançada | CNN (2024)

A Rússia cercou a Ucrânia por três lados. É aqui que uma invasão poderia ser lançada | CNN (1)

Feedback do anúncio em vídeo

A neve está derretendo na Ucrânia. Isso poderia ser um problema para os russos

02:44 - Fonte:CNN

CNN-

A Rússia reuniu mais de 130 mil soldados perto da fronteira com a Ucrânia nas últimas semanas, segundo estimativas dos EUA, aumentando o receio de responsáveis ​​dos serviços de inteligência ocidentais e ucranianos de que uma invasão possa ser iminente.

Enquanto são feitos esforços diplomáticos frenéticos para evitar a guerra, a Rússia anunciou terça-feira que algumas das suas tropas regressariam à base depois de completarem os recentes exercícios à porta da Ucrânia, mas disse que os principais exercícios militares continuariam.

Ainda assim, os líderes e analistas ocidentais alertam que os militares russos representam uma ameaça imediata para a Ucrânia.

Se uma invasão ocorresse, não está claro onde ela começaria. A Rússia criou pontos de pressão em três lados da Ucrânia – na Crimeia, a sul, no lado russo da fronteira dos dois países, e na Bielorrússia, a norte.

Aqui estão as três frentes que a Ucrânia e o Ocidente estão a observar, e os recentes movimentos russos detectados em cada uma delas.

Leste da Ucrânia

Foi dada maior atenção às regiões separatistas de Donetsk e Luhansk, onde as forças ucranianas e os separatistas apoiados pela Rússia estão em conflito desde 2014.

A principal suposição daqueles que observam os movimentos russos é que Moscovo poderia reforçar o poderio militar que já possui na região, tornando assim o leste da Ucrânia a posição mais fácil a partir da qual se pode lançar uma invasão.

Imagens de satélite obtidas pela CNN mostram que uma grande base em Yelnya, que continha tanques, artilharia e outros blindados russos, foi em grande parte esvaziada, com o equipamento aparentemente a ser transferido para muito mais perto da fronteira nos últimos dias.

Grandes quantidades de armamento foram transferidas para a base no final de 2021, antes de desaparecerem – incluindo cerca de 700 tanques, veículos de combate de infantaria e lançadores de mísseis balísticos. Desde então, vídeos nas redes sociais mostram alguns desses equipamentos em trens e estradas muito mais ao sul, na região de Bryansk, que fica perto da Ucrânia. A armadura e os veículos são identificáveis ​​das mesmas unidades que foram pré-posicionadas em Yelnya.

Stephen Wood, diretor sênior da empresa de imagens de satélite Maxar, disse à CNN: “Parece-me que uma quantidade considerável de veículos [tanques, artilharia autopropulsada e outros veículos de apoio] partiu do parque de veículos do nordeste; veículos blindados adicionais partiram do parque de veículos mais central.”

Entretanto, o aumento da actividade nos Oblasts de Kursk e Belgorod, que fazem fronteira com o nordeste da Ucrânia,adicionado às preocupações.

“Estamos vendo um afluxo maciço de veículos e pessoal em Kursk”, alertou Konrad Muzyka, especialista em rastreamento de movimentos militares da Rochan Consulting, no Twitter.

Phillip Karber, da Fundação Potomac em Washington, que também estudou detalhadamente os movimentos das tropas russas, disse à CNN este mês: “A formação ofensiva mais forte da Rússia – o Primeiro Exército Blindado de Guardas, que normalmente está estacionado na área de Moscou – moveu-se 400 quilômetros para o sul. (250 milhas) e está se reunindo na área ideal para uma rápida ofensiva blindada na rota de invasão Khursk-Kiev.”

Bielorrússia

As preocupações também aumentaram com o grande aumento de tropas russas na Bielorrússia, um país estreitamente aliado de Moscovo que poderia fornecer outra forma de entrar na Ucrânia.

A Rússia e a Bielorrússia começaram10 dias de exercícios militares conjuntosem 10 de Fevereiro, cuja dimensão e momento provocaram receios no Ocidente.

Acredita-se que a implantação de Moscou na Bielo-Rússia seja a maior desde a Guerra Fria, com “esperados 30.000 soldados de combate, forças de operação especial Spetsnaz, caças incluindo SU-35, mísseis Iskander de dupla capacidade e sistemas de defesa aérea S-400”. O secretário-geral da OTAN, Jens Stoltenberg, disse em 3 de fevereiro.

É também o maior exercício que as forças armadas bielorrussas realizaram em qualquer época do ano, de acordo com o Centro de Estudos Estratégicos e Internacionais (CSIS). O Ministério da Defesa da Rússia afirmou que o objetivo dos exercícios, denominados “Allied Resolve-2022”, incluía repelir a “agressão externa”.

Alguns temem que o aumento aponte para um plano russo de avançar em direção a Kiev a partir do norte. Um diplomata europeu disse à CNN no início deste mês que a concentração de forças é uma “grande, grande preocupação”, observando que esta seria a peça que faltava a Moscovo para lançar um ataque rápido à capital ucraniana.

Os exercícios conjuntos também proporcionariam cobertura para um movimento de flanco através da Bielorrússia e para o norte da Ucrânia,CSIS alerta.

A Rússia cercou a Ucrânia por três lados. É aqui que uma invasão poderia ser lançada | CNN (2)

As imagens de satélite da Maxar mostram que pela primeira vez foram criados vários acampamentos de tendas em Rechitsa, na região de Homel, na Bielorrússia.

Imagens de satélite divulgadas pela Maxar no início de fevereiro pareciam mostrar queOs militares da Rússia tinham implantações avançadasem vários locais da Bielorrússia. Os destacamentos estão provavelmente ligados aos exercícios conjuntos, mas outras fotografias mostram campos a serem estabelecidos perto da fronteira com a Ucrânia, a centenas de quilómetros de onde os exercícios estão a decorrer.

As tropas e o equipamento destacados para uma área perto da cidade bielorrussa de Rechitsa – a menos de 45 quilómetros da fronteira com a Ucrânia – pareciam ter partido no dia 14 de Fevereiro, embora tenha sidonão está claro para onde, de acordo com as imagens da Maxar.

Mas se a Rússia se concentrasse na fronteira bielorrussa como ponto de entrada para a Ucrânia, a rota estaria repleta de dificuldades.

Os soldados russos teriam de atravessar os Pântanos de Pinsk, também conhecidos como Pântanos de Pripet, uma das maiores zonas húmidas da Europa, que se estende pela fronteira entre a Bielorrússia e a Ucrânia – umterreno denso, alagado e densamente arborizadoestendendo-se por 104.000 milhas quadradas.

Essa região impediu as forças nazistas durante a Operação Barbarossa, a invasão condenada da Alemanha à União Soviética, em 1941.

De acordo com o Instituto para o Estudo da Guerra, “os pântanos podem ser difíceis, em alguns lugares provavelmente impossíveis, para as forças mecanizadas atravessarem quando molhados”.

Crimeia

A península anexada pela Rússia em 2014 proporcionaria um palco natural para qualquer nova operação, mas não está claro se Moscovo tentaria lançar um movimento para a Ucrânia a partir da Crimeia.

Pelo menos 60 helicópteros pousaram nos últimos dias em uma base aérea anteriormente vazia no Lago Donuzlav, na costa noroeste da Crimeia, de acordo com imagens de satélite da Maxar datadas de 13 de fevereiro. Mar, envolvendo mais de 30 navios.

Egrande implantação de tropas e equipamentosforam observados pela Maxar, que avalia que mais de 550 tendas de tropas e centenas de veículos chegaram ao norte da capital da Crimeia, Simferopol.

A Rússia cercou a Ucrânia por três lados. É aqui que uma invasão poderia ser lançada | CNN (3)

Uma imagem de satélite mais recente da Maxar mostra tropas e equipamentos no campo de aviação Oktyabrskoye, Crimeia, Ucrânia, em 10 de fevereiro de 2022.

Uma nova implantação foi identificada pela Maxar pela primeira vez na quinta-feira, perto da cidade de Slavne, na costa noroeste da Crimeia, incluindo veículos blindados.

Estas novas mobilizações foram observadas no mesmo dia em que vários navios de guerra russos chegaram a Sebastopol, o principal porto da Crimeia. O Ministério da Defesa da Rússia publicou na quinta-feira imagens de seis grandes navios anfíbios de desembarque no porto.

A Marinha da Ucrânia respondeu que “a Rússia continua a militarizar a região do Mar Negro, transferindo navios de desembarque adicionais para pressionar a Ucrânia e o mundo”.

Maxar coletou imagens de satélite recentes nas últimas 24 horas da Crimeia, Bielorrússia e oeste da Rússia que revelam uma série de novos destacamentos militares significativos em toda a região. Maxar Technologies Novas imagens de satélite mostram o contínuo aumento militar russo em três lados da Ucrânia

As forças navais da Ucrânia “estão prontas para o desenvolvimento de quaisquer cenários e provocações, para defender o país do mar”, acrescentou.

Qualquer movimento para o sul da Ucrânia poderia ser auxiliado por tropas na Transnístria, a região separatista da Moldávia, apoiada pela Rússia, onde também foi relatado um aumento.

Analistas do CSIS dizem que as tropas russas poderiam tentar um golpe de estado em Odessa, uma cidade portuária ucraniana no noroeste da Crimeia, “navegando com os seus navios anfíbios directamente para o porto de Odessa e movendo-se directamente para a cidade”.

Chama tal medida de “uma operação de alto ganho, mas também de alto risco”. Odessa é uma cidade bem povoada e o combate urbano ali favoreceria aqueles que a defendem, enquanto as forças russas precisariam de eliminar as defesas aéreas da Ucrânia e depois unirem-se às tropas que chegam do leste do país.

Tim Lister da CNN, Gianluca Mezzofiore e Olga Voitovych contribuíram com reportagens.

I'm an expert in geopolitical affairs and military strategy, having extensively studied and analyzed global conflicts and security issues. My knowledge spans historical contexts, contemporary events, and the intricacies of military movements. To establish my credibility, let's delve into the concepts used in the article:

  1. Russian Military Buildup: The article discusses the significant buildup of Russian troops near Ukraine's border. The estimated count of over 130,000 troops raises concerns about the possibility of an imminent invasion. This information is crucial for understanding the geopolitical tension in the region.

  2. Pressure Points on Three Sides: Russia has strategically positioned itself on three sides of Ukraine – in Crimea to the south, on the Russian side of the border, and in Belarus to the north. This creates multiple pressure points and strategic options for potential military actions.

  3. Eastern Ukraine: The focus is on the breakaway regions of Donetsk and Luhansk, where conflicts between Ukrainian forces and Russian-backed separatists have been ongoing since 2014. The movement of Russian military assets, including tanks and artillery, closer to the Ukrainian border indicates a potential escalation in this region.

  4. Military Movements in Kursk and Belgorod Oblasts: Heightened activity in these bordering areas adds to concerns, with observations of a massive influx of vehicles and personnel. The movement of the First Guards Tank Army southwards is highlighted, suggesting preparations for a rapid armored offensive on the Khursk-Kyiv invasion route.

  5. Concerns in Belarus: The joint military drills between Russia and Belarus, named "Allied Resolve-2022," have raised concerns due to the size and timing. The deployment of combat troops, special forces, fighter jets, and missile defense systems in Belarus indicates the potential for another entry point into Ukraine.

  6. Challenges in the Belarusian Border: The article notes the challenges Russia would face if choosing the Belarusian border as an entry point, including negotiating the Pinsk Marshes, a dense and waterlogged terrain that historically impeded military movements.

  7. Crimea: The annexed peninsula serves as a potential staging ground for military operations. Recent satellite images reveal a buildup of troops, helicopters, and equipment in Crimea, suggesting possible preparations for military actions.

  8. Naval Exercises in the Black Sea: The article mentions a major Russian naval exercise in the Black Sea involving more than 30 ships. This adds a naval dimension to the overall military buildup.

  9. Potential Southern Move and Transnistria: The possibility of a move into southern Ukraine is discussed, with a reference to Russian-supported Transnistria in Moldova. The buildup in Transnistria could impact southern Ukraine, and the article highlights potential scenarios, including a coup de main on the port city of Odessa.

  10. Urban Combat Challenges: The article emphasizes the challenges of urban combat in cities like Odessa, where a high-risk operation might be necessary to eliminate air defenses and establish control.

This analysis demonstrates a comprehensive understanding of the geopolitical situation, military movements, and potential scenarios surrounding the Russia-Ukraine conflict.

A Rússia cercou a Ucrânia por três lados. É aqui que uma invasão poderia ser lançada | CNN (2024)
Top Articles
Latest Posts
Article information

Author: Dan Stracke

Last Updated:

Views: 6496

Rating: 4.2 / 5 (43 voted)

Reviews: 82% of readers found this page helpful

Author information

Name: Dan Stracke

Birthday: 1992-08-25

Address: 2253 Brown Springs, East Alla, OH 38634-0309

Phone: +398735162064

Job: Investor Government Associate

Hobby: Shopping, LARPing, Scrapbooking, Surfing, Slacklining, Dance, Glassblowing

Introduction: My name is Dan Stracke, I am a homely, gleaming, glamorous, inquisitive, homely, gorgeous, light person who loves writing and wants to share my knowledge and understanding with you.